BLOG

Na onda Bolt no Mundial de Atletismo de Moscou

“O campeão voltou”. O grito já é famoso no futebol e foi hino este ano na final da Copa das Confederações, quando o Brasil foi campeão com goleada para cima da Espanha, em um jogão de bola com direito a show de Neymar e Fred. Agora, o campeão que está de volta é o jamaicano Usain Bolt, astro dos 100 metros e ídolo incondicional pela irreverência e constantes quebras de recordes nessa que é a mais famosa prova do atletismo mundial, vencida por Bolt, debaixo de chuva.

Em Moscou, são bonequinhos (foto capa), suspiros e corre-corre quando ele adentra ao estádio, seja para competir, seja para receber mais uma medalha de ouro. Mas qual é o segredo para tanto sucesso? Para os especialistas, o atleta da Jamaica teria tudo para ser um fracasso. Ele não tem sequer o biotipo ideal para tais competições de tanta velocidade e explosão, mesmo assim, é imbatível e só perdeu o posto de campeão anteriormente porque foi eliminado quando queimou a largada.

Quem é quem
Estudos matemáticos publicados na European Journal of Physics apontam que Bolt tem menos aerodinâmica que um corredor de tamanho médio, mas a passada mais larga e o elevado número de fibras de contração rápida compensam o coeficiente de arrasto, aquele que mantém o corpo em movimento depois que o vento já foi vencido. Com isso ele quebra o protocolo. Para se ter ideia, o mesmo estudo aponta que quando o atleta quebrou o recorde mundial (9,58s), ele estava a 43Km/h, consumindo menos de 8% da energia de seus músculos.

Parece que o mistério foi resolvido, mas não. Voltando à estatura, mais interessante em tudo isso é que um atleta de médio porte, quando se fala de aerodinâmica, apresenta coeficientes muito melhores que os de Usain Bolt. Quer dizer que a superação desse atleta é impressionante e desafia a medicina esportiva, pois ele sempre chega na frente, mesmo em desvantagem. E estamos falando de competidores de altíssimo nível, com outro detalhe, Bolt ainda corre com a perda de milionésimos de segundo importantíssimos no momento da largada, por conta dos seus 1,96m de altura. Isso mesmo, esse jamaicano extraordinário sai sempre perdendo e pode-se dizer que suas provas são sempre provas de recuperação e superação.

Talvez esteja aí a explicação para tanto amor do público. Exemplos como o de Usain Bolt servem mesmo de inspiração. E não poderia ser diferente. Até a próxima!

@drdanielmma

mais posts

Ufc Fight Night Pezão X Mir – Suspensões Médicas

Publicado em 23.02.2015
Categorias: Imprensa, MMA
Comunicado Oficial – Suspensões Médicas UFC Fight Night Porto Alegre   A Comissão Atlética Brasileira de MMA (CABMMA) dispõe abaixo a lista dos lutadores que participaram do UFC…

ARP quer reforma na Pesagem das lutas

Publicado em 28.03.2014
Categorias: MMA
A pesagem em esportes de luta, como o MMA/UFC, é sempre um momento de sacrifício. Um dia antes de um evento, o atleta precisa entrar no peso de…

Manual do Corredor: Síndrome da Banda Íleotibial

Publicado em 07.05.2016
Categorias: Cirurgia do Joelho, Manual do corredor
Dor no lado do joelho? Pode ser Síndrome da banda ileotibial, muito comum em corredores   Apesar de ser uma queixa muito comum no praticante de corrida, a…

Em ano de Copa a bruxa anda solta

Publicado em 17.04.2014
Categorias: Ortopedia
Em anos especiais como este de Copa do Mundo da FIFA no Brasil, jogadores de futebol de alto nível costumam sentir um frio na espinha só de ouvir…