BLOG

Na onda Bolt no Mundial de Atletismo de Moscou

“O campeão voltou”. O grito já é famoso no futebol e foi hino este ano na final da Copa das Confederações, quando o Brasil foi campeão com goleada para cima da Espanha, em um jogão de bola com direito a show de Neymar e Fred. Agora, o campeão que está de volta é o jamaicano Usain Bolt, astro dos 100 metros e ídolo incondicional pela irreverência e constantes quebras de recordes nessa que é a mais famosa prova do atletismo mundial, vencida por Bolt, debaixo de chuva.

Em Moscou, são bonequinhos (foto capa), suspiros e corre-corre quando ele adentra ao estádio, seja para competir, seja para receber mais uma medalha de ouro. Mas qual é o segredo para tanto sucesso? Para os especialistas, o atleta da Jamaica teria tudo para ser um fracasso. Ele não tem sequer o biotipo ideal para tais competições de tanta velocidade e explosão, mesmo assim, é imbatível e só perdeu o posto de campeão anteriormente porque foi eliminado quando queimou a largada.

Quem é quem
Estudos matemáticos publicados na European Journal of Physics apontam que Bolt tem menos aerodinâmica que um corredor de tamanho médio, mas a passada mais larga e o elevado número de fibras de contração rápida compensam o coeficiente de arrasto, aquele que mantém o corpo em movimento depois que o vento já foi vencido. Com isso ele quebra o protocolo. Para se ter ideia, o mesmo estudo aponta que quando o atleta quebrou o recorde mundial (9,58s), ele estava a 43Km/h, consumindo menos de 8% da energia de seus músculos.

Parece que o mistério foi resolvido, mas não. Voltando à estatura, mais interessante em tudo isso é que um atleta de médio porte, quando se fala de aerodinâmica, apresenta coeficientes muito melhores que os de Usain Bolt. Quer dizer que a superação desse atleta é impressionante e desafia a medicina esportiva, pois ele sempre chega na frente, mesmo em desvantagem. E estamos falando de competidores de altíssimo nível, com outro detalhe, Bolt ainda corre com a perda de milionésimos de segundo importantíssimos no momento da largada, por conta dos seus 1,96m de altura. Isso mesmo, esse jamaicano extraordinário sai sempre perdendo e pode-se dizer que suas provas são sempre provas de recuperação e superação.

Talvez esteja aí a explicação para tanto amor do público. Exemplos como o de Usain Bolt servem mesmo de inspiração. E não poderia ser diferente. Até a próxima!

@drdanielmma

mais posts

MMA: Belfort pega Henderson pelos meio-pesados

Publicado em 06.11.2013
Categorias: MMA
No sábado 9 de novembro, o brasileiro Vitor Belfort e o americano Dan Henderson lutam em Goiânia pelos meio-pesados (até 93Kg), em evento que revive o Pride 32,…

Sentindo dores? Pode ser fibromialgia

Publicado em 10.05.2014
Categorias: Medicina Esportiva
A fibromialgia é uma doença que apresenta como sintoma dores fortes nos tendões, músculos e ligamentos que fazem parte das articulações ou não, além disso é generalizada e…

Esportes de luta: Lesões na cabeça

Publicado em 21.08.2014
Categorias: Medicina Esportiva, MMA, Ortopedia
A maioria das lesões na cabeça são leves, sem conseqüências a longo prazo. Podem danificar o couro cabeludo , crânio, cérebro ou olhos. No entanto, existem situações que…

MANUAL DO CORREDOR: TENDINITE DE AQUILES

Publicado em 14.04.2015
Categorias: Manual do corredor, Medicina Esportiva, Ortopedia
Todas as modalidades esportivas que envolvem  CORRIDA e saltos submetem o tendão de Aquiles a uma sobrecarga importante. Apesar de ser o maior e mais forte tendão do…