BLOG

Idade é fator de aumento de lesões musculares

Um dos atletas que está em alta na mídia do futebol brasileiro é o meia veterano Alex, do time do Coritiba. Formado nas categorias de base do próprio clube, o craque, hoje com 35 anos, rodou o mundo, defendeu a Seleção Brasileira e é idolatrado na Turquia, conquistas de uma carreira sólida que deve se encerrar no time do coração, o qual, aliás, visivelmente se destaca na tabela do Brasileirão 2013 com ele em campo.

Machucado e sem jogar por conta de uma contratura na coxa direita, primeira lesão muscular na carreira, Alex tem passado algumas semanas a mais no departamento médico. Mas por que tanta demora?

Mesmo para um atleta profissional, a chegada da idade faz com que a incidência de lesões aumente e a recuperação seja um pouco mais demorada. Claro que vamos ter aqui um certo cuidado ao afirmar que a idade é o motivo para a lenta recuperação de Alex, mesmo porque, só o departamento médico do Coritiba tem a resposta certa, com todos os exames e acompanhamento da recuperação do jogador. O que vamos fazer é aproveitar a dúvida em relação ao episódio com o ídolo do Coxa e transportá-la para atletas profissionais e amadores de todas as modalidades esportivas, afinal, lesões causam transtorno para todos.

Para facilitar o entendimento, vamos a um jogo de pergunta e reposta:

No que a idade interfere no surgimento de uma lesão muscular?
A incidência de lesões musculares aumenta com a idade. O maior peso e menor flexibilidade da musculatura presentes em atletas com mais idade têm sido considerados fatores de risco para lesões musculares.

Se Alex tivesse sofrido uma torção no tornozelo, a idade também afetaria na recuperação?
A princípio não. O fator principal nas lesões articulares, em especial no tornozelo, é o número de entorses ao longo da carreira e se o tornozelo é instável (frouxo — tendência ao entorse) ou não. O Alex não torceria o tornozelo por ter uma idade ou outra. Se acontecesse, seria factual.

Falando em recuperação. Há diferença no tratamento de um atleta profissional e no de um atleta amador ou uma pessoa que não pratica esportes, sendo ambos da mesma idade?
As características do tratamento são as mesmas. O que vai diferenciar é a exigência de retorno rápido do atleta profissional. No caso do Alex, a lesão dele envolve técnico, presidente, patrocinadores do clube, etc., por isso o tratamento é intenso, diário e em dois ou três períodos do dia, algo que, normalmente, não ocorre no dia a dia de um atleta ou pessoa que não tenha todas essas exigências.

Esperamos ter esclarecido todas as dúvidas. Torcemos para que o jogador Alex tenha uma boa recuperação, independente do time que ele joga, pois o importante é manter a saúde em ordem. Se houver mais alguma pergunta, entrem em contato. Responderemos o mais breve possível.

Até a próxima!

@drdanielmma

mais posts

Precaução e segurança nos esportes

Publicado em 10.01.2014
Categorias: Medicina Esportiva, MMA, Ortopedia
O início de 2014 foi um tanto quanto conturbado para dois esportistas muito queridos mundialmente: Anderson Silva, que fraturou a tíbia ao perder a chamada “luta do século”…

Manual do Corredor: Predomínio de Lesões na Corrida

Publicado em 28.04.2016
Categorias: Manual do corredor, Medicina Esportiva
Algumas pesquisas têm procurado determinar a epidemiologia das lesões nos esportes para adequar a indicação da prática esportiva mais segura para uma determinada população e desenvolver estratégias de…

Exercícios físicos não inibem o crescimento

Publicado em 01.06.2014
Categorias: Medicina Esportiva
Interessantes as matérias da medicina que provocam polêmica. Não no sentido pejorativo da palavra, e sim, as que geram debates em diferentes linhas de pensamento. Isso provoca o…

Cuidados com a nova onda do Crossfit

Publicado em 28.02.2014
Categorias: Medicina Esportiva, Ortopedia
De tempos em tempos uma nova onda surge como a “mais completa e revolucionária” forma de praticar atividade física. Agora é o CrossFit, que como em todas as…